Paralização na Cosulati

Reivindicações são atendidas e funcionários retornam ao trabalho

Estabilidade por dois meses para todos os funcionários; calendário de pagamento de salários; intensificação das negociações com as cooperativas e produtores para aumentar o volume de leite. Estas eram as principais demandas dos trabalhadores que foram atendidas, mas também foi criada uma comissão de funcionários para auxiliar na gestão da fábrica, estabelecer interlocução com os produtores e participar nas negociações com as possíveis parcerias com produtores de leite, principalmente as cooperativas de produtores da região que historicamente responderam pela maior parte do leite beneficiado na Cosulati, e que estão, neste momento afastadas.

Foi uma paralização que teve como mote inicial a solidariedade com uma colega que havia sido arbitrariamente demitida e que depois estendeu-se para outros temas. O grau de união e de consciência dos trabalhadores foram os principais responsáveis pelo resultado vitorioso.

Os trabalhadores da Cosulati mostraram o seu valor. Não ficaram limitados às questões de seu interesse. Nestes quatro dias de paralização, refletiram e discutiram o papel da Cosulati na região. A sua importância para os produtores de leite, principalmente para os agricultores familiares, para a economia da região, as prefeituras, os fornecedores de produtos e serviços, os consumidores. Por isso exigiram serem ouvidos.

Não é por nada que produzem dos melhores laticínios do país. Trabalhadores com pensamento crítico produzem melhor